“Olá amigo…” – Um olhar por trás da cortina do SMS Biz / U-Report em Moçambique

“Olá amigo…” – Um olhar por trás da cortina do SMS Biz / U-Report em Moçambique

Por Nelson Rodrigues

Claudio Fauvrelle
Partilhar
SMS BIZ / U REPORT
Belmira (esquerda) e Alfabeto (direita) fazem parte de uma pequena equipa de activistas que dão vida ao serviço de aconselhamento para adolescentes e jovens chamado SMS Biz/U-Report. © UNICEF Mozambique/2016/N. Rodrigues

Alfabeto e Belmira fazem parte de uma pequena equipa de activistas que dão vida ao serviço de aconselhamento para adolescentes e jovens chamado SMS Biz/U-Report. A cada dia, a equipa responde a centenas de mensagens de texto (SMS) com informações sobre diversos assuntos, como a prevenção do VIH/SIDA, saúde sexual e reprodutiva, casamentos prematuros ou violência contra a criança e adolescente.

Os activistas reconhecem o potencial que este serviço tem para melhorar as vidas dos adolescentes e jovens. “Esta é a nossa oportunidade para melhorar as vidas das crianças e adolescentes”, diz Belmira de 25 anos de idade. “Esta é a nossa forma de pouco a pouco mudar o mundo.”

“Para mim é a oportunidade de influenciar a vida de alguém positivamente”, diz Alfabeto, de 20 anos de idade. “É o sentimento de que a informação que eu transmito, um dia poderá ajudar alguém a proteger-se e a fazer uma escolha melhor. E isso é um óptimo sentimento.”

Esta é a essência do SMS Biz / U-Report Moçambique, que faz parte de uma estratégia nacional chamada Geração Biz. Este nome foi dado porque representa uma geração activa, e “activa” é a melhor palavra para caracterizar os activistas que fazem este serviço de aconselhamento funcionar.

Todos os dias no escritório da Organização Não-governamental (ONG) “Coalizão”, parceira do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) nesta iniciativa, vinte e quatro conselheiros participam no turno da manhã ou da tarde para responder a questões da juventude moçambicana. Alfabeto e Belmira são dois voluntários da Coalizão. Ambos iniciaram o seu percurso de activistas no início da adolescência, participando em eventos de outros activistas, palestras e workshops nas suas escolas. Foi assim que começaram a ter acesso a informação e a aconselhamento que de outra forma não teriam acesso.

“A quem iríamos perguntar acerca destes assuntos? Os professores não falam acerca disto, e não vamos perguntar aos nossos pais acerca de sexualidade!” afirma Alfabeto.

Avançando 10 anos no tempo e os telemóveis estão por todo o lado, e milhares de SMS são trocadas todos os segundos. É através desta tecnologia que a plataforma SMS Biz / U-Report do UNICEF criou a oportunidade de ligar estes activistas com uma audiência que já ultrapassa os 57,000 utilizadores registados.

“Antes tínhamos de sair em brigadas, ir de porta a porta. Agora temos o potencial de comunicar com muito mais pessoas,” contou-me a Belmira.

“Não é tão bom como o aconselhamento presencial”, diz Alfabeto. “Mas por outro lado esta estratégia garante mais privacidade e anonimato, e como tal, temos muito mais jovens a fazerem questões que antes sentiam vergonha de perguntar.”

O serviço é totalmente anónimo e por isso nem Alfabeto, nem Belmira conseguem identificar as pessoas com as quais comunicam. Da mesma forma os utilizadores não conseguem identificar os seus conselheiros. “Às vezes as pessoas até perguntam se nos podem conhecer, mas nós respondemos sempre que não, para preservar a integridade do serviço,” diz Alfabeto.

Alfabeto faz parte da equipa há aproximadamente seis meses enquanto que a Belmira já faz aconselhamentos via SMS Biz há mais de um ano. Aproveitei a oportunidade para lhes perguntar qual foi a questão mais difícil que já tiveram de responder, mas a sua experiência é tão vasta, que se torna difícil eleger apenas uma de entre milhares de mensagens que já leram e deram resposta. Pensando um pouco mais sobre esta questão, acabam por realçar a importância dos “casos”.

Imediatamente questiono que “casos” são esses a que eles se referem.

“É quando recebemos informação mais sensível ou informação que nos diz que alguém está em risco,” diz Belmira. “Por exemplo, quando recebemos um SMS acerca de abuso sexual ou violência contra os nossos utilizadores, então temos de abrir um caso para que possamos seguir o diálogo em SMS. Desta forma podemos dirigir a pessoa para os serviços mais próximos, como por exemplo o centro de saúde mais próximo, a polícia ou a linha Fala Criança.”

Mas estes são casos muito específicos. A maioria dos SMS trocados centram-se em questões sobre saúde sexual e reprodutiva, HIV/SIDA, Infecções Sexualmente Transmissíveis e relacionamentos afectivos, como por exemplo: “Como posso saber se ele/ela me ama?” ou “Qual é a idade certa para iniciar uma relação sexual?”

Todos as respostas SMS se iniciam com “Olá amigo/a…” e depois segue-se o conselho “… não há idade correcta para iniciar uma relação sexual. É algo que podes esperar o que tempo que desejares até sentires a certeza que o desejas fazer.”

O SMS Biz / U-Report tem crescido muito rapidamente e em apenas um ano mais de 60,000 jovens e adolescentes Moçambicanos já se registraram. Para mim, existem poucas dúvidas que com voluntários activos como a Belmira e Alfabeto a liderarem a plataforma, mudanças positivas acontecerão para milhares de jovens e adolescentes espalhados por Moçambique.

Para mais informações, visite www.mozambique.ureport.in  



Para mais informações, favor contactar:

Claudio Fauvrelle
Tel +258 21 481 100
email: cfauvrelle@unicef.org

Subscrever ao boletim

SMS Biz / U-Report

Doar

As crianças de Moçambique precisam da sua ajuda. Chegou a sua vez de ajudar. Faça uma doação.

PARTILHAR

Partilha esta informação com teu amigos e familiares, e vamos ajudar mais pessoas a ficarem juntos pelas crianças de Moçambique.

NOSSO TRABALHO

Aprenda mais sobre o trabalho do UNICEF em Moçambique.