Ciclone Idai fustiga a Região Central de Moçambique

Ciclone Idai fustiga a Região Central de Moçambique

Estima-se que 600.000 pessoas sejam afectadas, das quais 260.000 são crianças. Milhares são deslocados porque suas casas estão destruídas.

Claudio Fauvrelle
Partilhar
ciclone idai sofala

Milhares são deslocados em Sofala porque suas casas estão destruídas devido ao ciclone Idai.

Beira, Moçambique - Durante a noite de Quinta-feira, o intenso ciclone tropical Idai fustigou na região de Sofala, em Moçambique, perto da cidade da Beira, causando sérios danos com os ventos fortes e inundações severas.

A área afectada foi atingida por chuvas muito intensas e enchentes devastadoras desde a semana passada. O solo está saturado e incapaz de absorver mais água.  

“O ciclone Idai atingiu agora uma população que já estava em desespero e extremamente vulnerável. O impacto da tempestade está a multiplicar o seu sofrimento”, afirma Marcoluigi Corsi, Representante do Fundo das nações Unidas para a Infância (UNICEF) em Moçambique.

Estima-se que 600.000 pessoas sejam afectadas, das quais 260.000 são crianças. Milhares são deslocados porque suas casas estão destruídas.

O Sr. Corsi diz que “a situação é séria e o UNICEF e os seus parceiros estão prontos para apoiar o Governo a levar assistência urgente à população afectada, incluindo água potável, meios para o saneamento e higiene, bem como cuidados médicos.”

O UNICEF está a colaborar com o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e outras agências da Organização das Nações Unidas para avaliar a dimensão do desastre. Os maiores problemas para a assistência humanitária incluem agora o restabelecimento de linhas de comunicação na área inundada da região de Sofala, bem como o acesso de equipas humanitárias às áreas de desastre.

“Apesar de todos os desafios, estamos bem preparados, já que temos estoques pré-posicionados com lonas, ​​kits de higiene e comprimidos de purificação de água disponíveis no país. Estes podem ser entregues rapidamente e ajudar nos primeiros dias” precisou Marcoluigi Corsi. O UNICEF estima que necessitará então de cerca de 10 milhões de dólares para responder às primeiras necessidades mais urgentes das crianças.

O UNICEF está a colaborar com o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e outras agências da Organização das Nações Unidas para avaliar a dimensão do desastre. Os maiores problemas para a assistência humanitária incluem agora o restabelecimento de linhas de comunicação na área inundada da região de Sofala, bem como o acesso de equipas humanitárias às áreas de desastre.

“Apesar de todos os desafios, estamos bem preparados, já que temos estoques pré-posicionados com lonas, ​​kits de higiene e comprimidos de purificação de água disponíveis no país. Estes podem ser entregues rapidamente e ajudar nos primeiros dias” precisou Marcoluigi Corsi.

O UNICEF estima que necessitará então de cerca de 10 milhões de dólares para responder às primeiras necessidades mais urgentes das crianças.

Para mais informações, favor contactar:

Claudio Fauvrelle
Tel +258 21 481 100
email: cfauvrelle@unicef.org

Subscrever ao boletim

emergência

Doar

As crianças de Moçambique precisam da sua ajuda. Chegou a sua vez de ajudar. Faça uma doação.

PARTILHAR

Partilha esta informação com teu amigos e familiares, e vamos ajudar mais pessoas a ficarem juntos pelas crianças de Moçambique.

NOSSO TRABALHO

Aprenda mais sobre o trabalho do UNICEF em Moçambique.